Artesão que constrói canoas há 40 anos precisa de equipamentos para melhorar produção

canoeiro 1

O artesão José Emilde da Silva, 62 anos, montou sua pequena oficina ao lado da sua casa no município de Rodrigues Alves onde diariamente trabalha na construção de canoas de diversos tamanhos cuja venda garante o sustento da família. Ele viveu a maior parte da vida no seringal onde aprendeu a profissão com o pai há mais de 40 anos.

canoeiro 2

Sempre muito bem humorado o artesão afirma que já construiu pelo menos 100 canoas que são vendidas às pessoas que moram no interior e precisam de barcos para se locomover pelos rios da região. O valor de venda varia de R$ 400,00 a R$ 1.000,00. “É um preço baixo, mas as pessoas não conseguem pagar mais”, disse o construtor.

canoeiro 3

José Emilde fabricou o primeiro barco aos 15 anos idade e afirma que tudo que sabe fazer aprendeu com seu pai que o ensinou a escolher a árvore, calcular as medidas para não perder a madeira e depois fabricar o barco. “As madeiras mais utilizadas para fabricar canoas é a Jacareúba, Guariúba e o Angelim, que são madeiras de lei”, disse.

Nas mãos do artesão cada árvore derrubada se transforma em meio de transporte nos rios. Atualmente ele retira a madeira no Ramal 3 onde faz os primeiros talhos e depois a transporta ao local de trabalho. “Depois de pronta a embarcação recebe uma camada de tinta para aumentar a durabilidade e fica pronta para venda”, diz com um largo sorriso no rosto.

As canoas fabricadas pelo construtor tem capacidade para até cinco pessoas e levam cerca de cinco dias para ficarem prontas, depois da madeira chegar a oficina. José Emilde afirma que atualmente são poucas as pessoas que sabem a arte que utiliza a estrutura das árvores para fazer boas canoas.

“Hoje, só as pessoas mais velhas sabem fazer canoas da própria árvore e muitos dos que sabiam já morreram. Cada um tem seu talento, alguns constroem aviões, outros motos, carros, mas nenhum desses sabe fazer barcos como eu faço para andar nas águas. Sou muito feliz com minha profissão”, diz bem humorado.

O construtor aproveita para pedir apoio do governo ou da prefeitura para a aquisição de equipamentos que podem melhorar sua atividade. “Ainda tenho fé que vou conseguir uns equipamentos desses distribuídos pelos homens do governo. Eles estão fazendo um bom trabalho pelo povo mais carente apoiando os pequenos negócios”, afirma.

José Emilde afirma que muita gente na Rodrigues Alves já ganhou equipamentos para trabalhar e diz que tem esperança de conseguir algumas ferramentas. “Preciso de uma lixadeira, um pequeno motosserra e outras ferramentas menores, para melhorar minha produção e a qualidade das canoas”, finalizou.

Elson Costa - Fotos: Elson Costa

 

Powered by Bullraider.com