IMPACTUS: Polícia prende treze e apreende droga, dinheiro e munição

Treze pessoas foram presas em Rio Branco nesta quarta-feira, 28, por roubo, furto, homicídio, tráfico de drogas e outros delitos. As prisões ocorreram durante a “operação impactus”, em sua primeira edição do ano 2015.

Na operação a polícia apreendeu munição calibre 38, droga e aproximadamente R$ 5 mil, em espécie, dinheiro oriundo da venda de entorpecentes. Deste total, uma prisão se deu em flagrante por posse de munição.

Entre os presos estão: Paula Silva de Araújo, que estava sob monitoramento (tornozeleira eletrônica). Ela foi condenada a quatro anos de reclusão, em regime fechado, por tentar entrar no presídio com droga nas partes intimas.

Francisco Mendonça da Cruz, 40, o “Magrão”, sentenciado a 12 anos de prisão por homicídio, ocorrido em 2001, quando este fugiu para Roraima. O mesmo foi capturado no bairro Triângulo Novo.

E Jhon Pyerre Ribeiro Tamarana, 28, suspeito de uma série de roubos e furtos e, de integrar a “gangue do tambor”. Teria sido ele, segundo a investigação, o autor de cerca de 14 arrombamentos de carros no estacionamento de uma universidade particular no dia da prova do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio). Tamarana foi preso no bairro Vila Betel.

 

“Gostaria de parabenizar a equipe de policiais civis que fizeram parte dessa operação. A impactus é uma marca da Polícia Civil, que vai estar sempre trabalhando de maneira uniforme, isso é uma diretriz do Governo, para que as forças de segurança trabalhem firme, dentro da legalidade, mas de forma integrada,  a operação impactus representa muito bem isso”, destacou o secretário de polícia Carlos Flávio Portela.

Segundo o secretário, a operação impactus, visa tirar de circulação pessoas que estão cometendo crimes. Tivemos hoje 13 pessoas presas por crimes de homicídio e relativo a crimes contra o patrimônio. Estaremos ampliando a repercussão dessa operação, para que tenha sempre essa continuidade.

Add a comment (0)

PF prende grupo que articulava pelo Whattsapp matar policiais no Acre

 

Reprodução – Ac24Horas

A Polícia Federal, em ação conjunta com Polícia Civil e Polícia Militar do Estado do Acre, desencadeou nesta terça-feira (20) a operação Joker, com o intuito de reprimir grupo criminoso que estava se organizando para matar policiais no Acre. A quadrilha usava o aplicativo Whattsapp para tramar como seria as ações criminosas.

Foram cumpridos 07 mandados de prisão, 12 de busca e apreensão e 03 mandados de internação de menores de idade.

Tal ação é fruto de investigação iniciada pela PF, após notícia que jovens, num grupo de “Whatsapp”, intitulado “PM bom é PM morto”, poderiam estar armando ciladas contra policiais civis e militares no Acre, com possível formação de grupo de extermínio. Em dezembro do ano passado o site ac24horas revelou em uma reportagem exclusiva como o bando agia.

Circulam nas redes sociais imagens de grupos criados através whatssap para perseguir e agredir policiais civis e militares no Acre. Os círculos de amizade virtual já contam com diversos membros e, inclusive, existem desde o mês de novembro. O ac24horas veicula uma dessas imagens.

Na ilustração é possível perceber, ainda que com pouca nitidez, que a maioria dos membros dos grupos são jovens. Em sua grande parte, segundo apurado, ele têm idades entre 16 e 25 anos, principalmente. A Reportagem ligou para os números a que teve acesso e conversou com alguns dos participantes da rede.

O ac24horas irá manter o nome dos suspeitos em sigilo, em obediência ao Estatuto da Criança e Adolescente, que proíbe a identificação de menores.

O Repórter ac24horas ligou para um dos números. Após várias tentativas frustradas, um menor [aqui chamado de José] atendeu a ligação. Perguntamos se falávamos José, e ele, rapidamente, afirmou que sim. Em seguida questionou-se como “entrar no grupo ‘PM BOM E PM MORTO”, criado em 13 de novembro deste ano.

Ao responder o suposto interessado em participar da rede, o jovem afirma que é só falar com o administrador que ele seria o único com as permissões de inclusão. “Sou eu mesmo (…) Aí tem que falar com o administrador porque ele é quem coloca as pessoas”, afirma.

Ainda durante a ligação, a Reportagem questionou se José conhecia o administrador, mas ele nega que o conheça e pediu para retornar mais tarde que ele ia falar com o responsável pelo grupo virtual. “Liga mais tarde que eu vou procurar o número do administrador e se eu conseguir te passo”, orienta o cumplice.

A reportagem também conversou com outro participante da suposta rede criminosa. Eles serão identificados como Mário – o atendente- e Lucas – o procurado-, nesta matéria.

-ac24horas: é com o Mário que estou falando?
-Lucas: Não. Não é o Mário.
-ac24horas: é que eu estou querendo participar do grupo do ‘Pm morto’. Como eu faço? Ele [o Mário] que é o administrador?
-Lucas: Não. Isso aí é só com ele. Ele não administra não.
-ac24horas: Mas você sabe quem é o administrador?
-Mário: Sei não. Isso é só com ele mesmo.
-ac24horas: Ok. Obrigado.

O fato é que ambos os números atenderam às ligações realizadas de um telefone fixo neutro e já desconectado da rede de telefonia. Na última tentativa, o jovem que atendeu foi áspero e se passou por um delegado de polícia, logo no início da conversa.

O jovem, cujo nome também será mantido em sigilo, afirmou ao Repórter que não há mais vagas no grupo e que se quisesse entrar num desses círculos virtuais era melhor fazer um novo, que aguardar uma vaga.

“Não tem vaga mais não, mano. Se você quiser entrar, faça um, porque nesse aqui já não tem vaga mais não, ‘tá ligado’? (sic)”, indaga o rapaz ao ac24horas.

O Comando Geral da Polícia Militar do Acre foi procurado pelo ac24horas. Segundo o coronel José Anastácio, comandante geral do órgão, já há informações sobre os grupos e a polícia já está investigando quem são os responsáveis pela criação.

“Nós já identificamos uma informação parecida. Estamos investigando para saber quem são os criadores da rede”, comenta o chefe dos militares do Acre.

Ainda segundo Anastácio, todos os procedimentos necessários já estão sendo tomados pelo órgão, para resolver a situação. O comandante também faz um alerta aos profissionais, alegando que todo cuidado deve ser redobrado pelos policiais.

“Precisamos de muita cautela. Nós não vamos baixar a guarda nesse momento, todo cuidado é pouco e vamos redobrar o cuidado nesse momento. Não iremos recuar. Assim que identificados, todos serão punidos, se exagero, mas eles serão responsabilizados por isso”, finaliza Anastácio.

O ac24horas também tentou contato com a Polícia Civil. O delegado Robert Alencar não foi encontrado para falar sobre o assunto. O delegado itinerante é o responsável pelas investigações em que há incidência de crimes cibernéticos. Mesmo assim, a Polícia Civil se pronunciou sobre o assunto.

Segundo a Assessoria, nenhum caso foi notificado até o momento. Mas a atenção é necessária. O órgão reafirmou que a competência, nesses casos, fica à cargo da Delegacia Itinerante, cujo representante é o delegado Robert Alencar.

Add a comment (0)

Ônibus da Transacreana que saia de Cruzeiro do Sul para Rio Branco tomba na BR-364 perto de Sena Madureira

Um ônibus da empresa Transacreana, que saia de Cruzeiro do Sul com destino a capital Rio Branco, tomou na madrugada deste domingo, 18, na BR-364, próximo a Sena Madureira. Ninguém ficou ferido no acidente.

Segundo informações de passageiros, o motorista teria dormido ao volante em um determinado trecho da estrada,  o que o fez perder o controle do ônibus. O motorista, que não teve o nome revelado, alega ter perdido os freios, o que deixou o ônibus sem controle na pista.

A Polícia Militar foi acionada para atender a ocorrência. Todos os passageiros saíram ilesos e foram transferidos para outro ônibus da empresa enviado para transportá-los para a conclusão da viagem.

Add a comment (0)

Polícia prende Titanic e garante que segundo a investigação ele pode ser o mentor do assalto a casa do empresário João Garapa

As investigações da Polícia Civil concluíram que Sérgio Oliveira dos Santos, 43, vulgo Sérgio Titanic, pode ser o mentor do assalto à casa do empresário João Garapa, no dia 30 de Dezembro do ano passado, onde dois assaltantes roubaram uma grande soma em cheques e dinheiro e um deles atirou no sargento PM M. Araújo, que fazia a segurança de Garapa e morreu.

Titanic foi preso na tarde de quinta-feira (15) por policiais civis e militares, quando saia de sua empresa, no centro da cidade. Ele estava ao lado da esposa e não teve como esboçar nenhum tipo de reação. Sérgio foi acusado pelos outros presos que confirmaram sua participação no assalto e ainda tinha tentado na mesma semana, junto com os outros comparsas, um assalto a um empresário em Tarauacá que não deu certo.

O delegado Luiz Tonini, responsável pela investigação que já garantiu a prisão de outros seis comparsas, afirmou que Sérgio Titanic, que tem outras passagens pela polícia por outros crimes como tráfico de drogas. Ele é o mentor do crime. Atualmente, o acusado que está preso na Delegacia Geral de Polícia, cumpre pena em regime aberto no presídio do município de Tarauacá.

Tonini revelou que Sérgio Titanic se ausentou de Cruzeiro do Sul desde o dia 30 de Dezembro, quando o policial foi morto e só retornou recentemente. Imediatamente ele foi preso. “Agora, todos os participantes do crime de latrocínio já estão presos. No entanto, o dinheiro levado pelos assaltantes ainda não foi recuperado. Os sete acusados permanecerão no presídio Manoel Neri da Silva a disposição da Justiça”, disse.

Segundo o delegado apenas João Vítor e Maicon Douglas, os dois assaltantes que aparecem nas imagens registradas pelas câmaras de segurança da casa do empresário, confessaram a participação no crime. Os demais envolvidos negam envolvimento, mas as investigações apontam e confirmam a participação de todos os sete envolvidos.

Add a comment (0)