Com apoio de militares da Agência da Marinha do Brasil agentes do IMAC devolvem à floresta mais de 80 jabutis apreendidos. Multa aos acusados é de R$ 400 mil
Jabutis foram soltos na floresta por agentes do IMAC com apoio de militares da Agência da Marinha do Brasil— Foto: Divulgação/Imac

Com apoio de militares da Agência da Marinha do Brasil agentes do IMAC devolvem à floresta mais de 80 jabutis apreendidos. Multa aos acusados é de R$ 400 mil

Mais de 80 jabutis apreendidos por militares do 6º Batalhão de Polícia Militar (6º BPM), na noite do último domingo (14), junto com 720 quilos de carne de caça – veado, anta e queixada – e ainda um filhote de anta vivo, foram devolvidos a floresta na tarde de segunda-feira (15), por agentes do Instituto de Meio Ambiente do Acre (IMAC).

Animais foram soltos na floresta em local de difícil acesso - Foto: divulgação IMAC

Animais foram soltos na floresta em local de difícil acesso – Foto: divulgação IMAC

A operação de soltura dos animais na floresta contou com apoio de militares da Agência da Marinha do Brasil e foram levados numa lancha para uma região de difícil acesso no município de Ipixuna, onde provavelmente foram capturados, para evitar que sejam novamente capturados.

 “Soltamos os animais em dois locais que não podem ser divulgados para evitar que as pessoas possam ir tentar buscá-los. Esse é o procedimento que a gente faz por meio de pontos de GPS. Depois fizemos o termo de soltura”, disse o agente de fiscalização do Imac Josué Torquato.

Filhote de anta deve ser levado para centro de triagem em Rio Branco — Foto: Mazinho Rogério/G1

Filhote de anta deve ser levado para centro de triagem em Rio Branco — Foto: Mazinho Rogério/G1

O destino do filhote de anta, apreendido na operação que apreendeu a carne de caça ilegal e os jabutis, deverá ser o Parque Chico Mendes, em Rio Branco, porque a agência do IMAC não tem um local apropriado para o animal. “Uma equipe do Ibama está chegando para levar o filhote para o centro de triagem em Rio Branco”, informou Torquato.

Segundo informações da Polícia Civil a carne de caça ilegal apreendida, que estava boa para consumo, foi doada para o Lar dos Vicentinos, para a Associação dos Pais e Amigos dos Dependentes Químicos (Apadeq) e mais três outras instituições. A apreensão se deu por meio de uma denúncia anônima.

Entenda o caso

Depois de uma denúncia policiais do 6º Batalhão de Polícia Militar (6º BPM) apreenderam na noite do último domingo (14) cerca de 720 quilos de carne de animais silvestres – anta, veado e  queixada, 83 jabutis e ainda um filhote de anta vivo, que estavam sendo transportados numa picape Toyota que foi abordada pelos policiais. Dois homens que estavam no veículo foram presos e encaminhados à Delegacia Geral de Polícia Civil junto com os produtos.

Em depoimento na delegacia os dois acusados informaram que compraram a carne e os animais na comunidade do Gama onde foram para comprar farinha e na falta decidiram comprar a carne que foi oferecida para comercializar na residência de um deles. O delegado Vinicius Almeida informou que a Policia Militar recebeu denúncia que algumas pessoas estavam saindo com carne de caça de um local e ao averiguar a situação prendeu os dois homens.

“Eles chegaram na comunidade para comprar farinha e como não tinha ofertaram a carne pra eles. Como estavam com o dinheiro eles compraram a carne, os jabutis e o filhote para revender na casa dele aqui mesmo em Cruzeiro do Sul”, disse o delegado. Segundo informação dos próprios acusados a carne e os animais custaram cerca de R$ 6 mil. Os suspeitos prestaram depoimento e foram liberados para responder pelo crime em liberdade.

O fiscal da Agência do Instituto de Meio Ambiente do Acre (IMAC) de Cruzeiro do Sul, José Torquato, que atendeu a ocorrência, informou que cada quilo de carne e animal apreendidos vai gerar uma multa de R$ 500,00 e ainda R$ 5.000,00 pelo filhote de anta e que a carne será doada a instituições de assistência social, os jabutis devolvidos ao habitat natural e o filhote de anta deverá ser enviado ao Parque Chico Mendes em Rio Branco.

“Os infratores serão enquadrados no Decreto nº 6.514 e na Lei nº 9.605, de Crimes Ambientais. Vamos fazer o procedimento de devolução dos jabutis ao seu habitat natural com apoio da Marinha, a anta que ainda é uma bebê e está sendo amamentada possivelmente será encaminhada para o Parque Chico Mendes, em Rio Branco, porque não temos um local para abrigá-la e a carne será entregue a Vigilância Sanitária para distribuição”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*