Prefeitura de Marechal Thaumaturgo apura denúncias levantadas em debate nas redes sociais que acusam o vereador Átilon Pinheiro e sua irmã de receberem salário da prefeitura sem trabalhar
Vereador Átilon Pinheiro é o líder do PSD na Câmara Municipal e recentemente se afastou da base de sustentação do prefeito

Prefeitura de Marechal Thaumaturgo apura denúncias levantadas em debate nas redes sociais que acusam o vereador Átilon Pinheiro e sua irmã de receberem salário da prefeitura sem trabalhar

Vereador Átilon Pinheiro é o líder do PSD na Câmara Municipal e recentemente se afastou da base de sustentação do prefeito

Vereador Átilon Pinheiro é o líder do PSD na Câmara Municipal e recentemente se afastou da base de sustentação do prefeito

O vereador Átilon Pinheiro (PSD), do município de Marechal Thaumaturgo (AC), está sendo acusado de receber o salário de sua função de Auxiliar Operacional de Serviços Diversos (AOSD) sem cumprir a referida carga horária por não estar lotado em nenhum órgão da administração do municipal. A infração, segundo as informações, acontece desde 2016, ainda na gestão do ex-prefeito Aldemir Lopes.

A possível situação irregular do vereador tem sido debatida nas redes sociais desde que o vereador, que era da base de sustentação do prefeito Isaac Pianko (MDB), começou a fazer acusações sobre malversação de recursos públicos na prefeitura, na avaliação dos gestores sem fundamentação legal, momento que o mesmo passou então a ser questionado por populares de sua situação em não prestar o serviço na administração pública, mas receber o salário no final do mês.

Mas, antes das denúncias nas redes sociais a Secretaria Municipal de Educação informa que já tinha conhecimento do problema e estava verificando a situação do vereador. O Setor de Pessoal da prefeitura informou que depois de verificação recente se constatou que o vereador não está lotado em nenhuma secretaria o que será apurado para que sejam tomadas as devidas providências, inclusive a devolução dos recursos recebidos de forma irregular.

Admitido ainda na gestão do ex-prefeito Randson Almeida, Atilon Pinheiro, na época, exerceu cargo em comissão. Depois que foi exonerado do cargo comissionado não exerceu mais nenhuma função e nos três primeiros anos da gestão do ex-prefeito Aldemir Lopes esteve afastado sem ônus. Ele retornou à folha de pagamento do município em Março de 2016, mas sem cumprir com a carga horária.

Na gestão atual a situação continuou e agora foi detectada pelas denúncias. O atual secretário de Educação do Município, Eclínio Nascimento, que assumiu a pasta no início do mês de Junho, informou que não tinha conhecimento da situação, mas já está tomando providências para suspender o pagamento do salário do funcionário irregular até que o mesmo seja lotado, inclusive sobre a acusação contra a outra funcionária.

Além disso, segundo secretário, serão tomadas providências para o ressarcimento dos recursos recebidos irregularmente. Sobre a informação dita pelo vereador que apresentou a Secretaria de Educação um documento solicitando seu afastamento da função o secretário afirma que se informou e pelo que foi averiguado não foi encontrado nenhum documento protocolado pelo interessado com o pedido.

Outro questionamento levantado pelos debates das redes sociais sobre a situação do vereador Átilon Pinheiro abordou também a situação da sua irmã, funcionária efetiva da Prefeitura de Marechal Thaumaturgo, com dois contratos e vencimentos de mais de R$ 5 mil. Ela não mora no município, não exerce suas funções acobertada por laudos médicos, recebe o salário e a prefeitura ainda tem que contratar outro profissional para seu lugar.

Questionado sobre a situação o vereador Átilon Pinheiro afirma que a situação está ligada ao seu afastamento do grupo e da liderança do prefeito Isaac Pianko na Câmara Municipal devido a situações vexatórias vividas pela administração do município e ressalta que quando era líder do prefeito exercia sua função no Departamento de Esportes com apoio as atividades esportivas da prefeitura.

Vereador enviou cópia de Requerimento solicitando afastamento da função protocolado hoje, mas segundo ele foi entregue no mês de Maio

Vereador enviou cópia de Requerimento solicitando afastamento da função protocolado hoje, mas segundo ele foi entregue no mês de Maio

Com referência a sua irmã Atilon Pinheiro justifica que ela tem todos os laudos por ser portadora de tuberculose e não pode ter contato com giz e outros materiais que são prejudiciais a sua saúde. “ No caso da minha irmã isso é uma má fé porque ela tem um laudo na Secretaria de Educação e a médica disse que ela não pode estar mais em sala de aula até porque perdeu as cordas vocais”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*